Abiquim 50 anos

Notícias

Rastreabilidade de medicamentos: Como atender a RDC 319?

30/09/2020

Rastreabilidade de medicamentos: Como atender a RDC 319?

Nós já abordamos aqui no Mundo Isopor 2 importantes marcos regulatórios para a indústria farmacêutica, a RDC 301 e a RDC 304, que visam garantir maior controle desde a formulação, até a rastreabilidade de medicamentos e a entrega.

Publicada em agosto de 2019, a RDC 301 foca no controle de qualidade dos medicamentos e a RDC 304 tem como foco a garantia da conformidade de todos os medicamentos a partir do momento que os lotes deixam a fábrica.

Neste artigo, vamos abordar a RDC 319, o novo regulamento da ANVISA para a rastreabilidade de medicamentos, publicada em 12 de novembro de 2019. De acordo com o Sistema Nacional de Controle de Medicamentos (SNCM), a norma propõe o acompanhamento dos medicamentos em toda a cadeia produtiva, desde a fabricação até o uso pelo consumidor final.

O órgão ainda aponta que os rastreamentos devem ser feitos por meio de tecnologia de captura, armazenamento e transmissão digital de dados. Conforme a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), o código bidimensional, também conhecido como QR Code, é a tecnologia sugerida para garantir a qualidade da rastreabilidade de medicamentos.
 

Por que a rastreabilidade de medicamentos é importante?


Atualmente temos um cenário onde R$ 1 bilhão em medicamentos é desperdiçado anualmente, e isso representa cerca de 20% de todos os medicamentos comprados por hospitais públicos e privados no país.

Podemos então relacionar a rastreabilidade de medicamentos com 3 fatores de grande importância para o consumidor, farmácia, hospital e fabricante:

1. Segurança na administração medicamentosa:

•  Através de números de série em medicamentos rastreados podemos ter a certeza de que o paciente certo recebeu a medicação indicada no momento certo e na via certa.

2. Recall facilitado

•  Os números de série também possibilitam que processos de recall sejam facilitados dando acesso aos locais comercializados e pacientes destinados.

3. Menos gastos para as instituições

•  Cerca de 30% dos custos com estoque de medicamentos são excessivos e de 15% a 25% das compras hospitalares são feitas em critério de emergência. O rastreamento de medicamentos garante o gerenciamento desse estoque e a redução do impacto financeiro.
 

Como atender a RDC 319?


Conforme o diário oficial, a RDC 319 prevê uma “listagem dos medicamentos e membros da cadeia de movimentação aos quais se aplica o disposto nesta norma, bem como os respectivos prazos e condições para o envio dos dados de movimentação de medicamentos”.

Entre as principais regras estipuladas pela RDC 319 podemos citar as seguintes:

1. Código identificador único:

Será obrigatório que a caixa de entrega contenha um código identificador único. Esse código informará todos os outros códigos dos medicamentos (IUM) contidos na caixa que será enviada, e esse código será gerado pelo dono do registro no momento da expedição.

2. Adequação das embalagens ao SNCM:

A ANVISA determina que alterações de rótulo passíveis de notificação, com implementação imediata, não têm necessidade de aprovação prévia pelo órgão. Nesse caso, as empresas podem fazer a modificação antes da aprovação da ANVISA, mas serão obrigadas a notificar o órgão sobre as mudanças feitas.

3. Facilidade na serialização de medicamentos:

Após a RDC 319, fica permitida a serialização de medicamentos para empresas importadoras de fármacos titulares de registro e/ou que não possuam AFE ou AE para fabricar.

4. Atualização no processo de comunicação com a ANVISA

A regra antes da RDC 319 era que cada membro da cadeia de movimentação de medicamentos devia registrar e comunicar eletronicamente os dados referentes às solicitações de eventos ocorridas com o medicamento sob sua tutela.

Os prazos eram de três dias úteis para detentores de registro, cinco dias úteis para distribuidores e sete dias úteis para dispensadores. Com a nova resolução, esses prazos podem ser ampliados mediante justificativa enviada à SNCM.

5. Análise de risco

Agora a ANVISA irá identificar, por meio da análise de risco sanitário, possíveis fragilidades e irregularidades nos dados coletados dos detentores de registro e de toda a cadeia envolvida. Conforme o artigo 19 da RDC 319, serão considerados os seguintes critérios:

•  Classe e classificação de risco do medicamento;

•  Tipo de movimentação;

•  Histórico de roubos, furtos e falsificações do medicamento;

•  Relevância e criticidade do medicamento nas políticas e programas de saúde pública;

•  Resultados de análise laboratoriais;

•  Alertas sanitários nacionais e internacionais;

•  Histórico de conformidade da empresa;

•  Amostragem aleatória.

A rastreabilidade de medicamentos traz para pacientes e profissionais a maior segurança e eficiência na rotina hospitalar. Já na produção e na logística dos medicamentos, se tem mais controle, facilidade de fluxo e adequação de padrões regulatórios de conformidade.

Sua empresa pode transformar suas operações com soluções mais inteligentes! As caixas térmicas da linha Health da Knauf foram desenvolvidas por especialistas para atender de forma completa às normas e certificações de qualidade do segmento, incluindo a RDC 319. Converse com um de nossos especialistas e entenda todos os diferenciais que podemos te oferecer.

Esse conteúdo foi desenvolvido pelo Blog Mundo Isopor: https://www.mundoisopor.com.br/mercado/rastreabilidade-de-medicamentos-rdc-319

Ver todas